10 anos de 'The Sound of Madness' Pt.2


Na segunda parte da matéria realizada pelo site Loudwire sobre os 10 anos do álbum 'The Sound of Madness', podemos relembrar os singles que chegaram ao topo das paradas e o que a banda teve de influência ao escrever as letras, crescimento da base de fãs, shows em arenas e festivais europeus, e mais. Se você ainda não conferiu a primeira parte da matéria, clique aqui.

Leia abaixo:
"Devour" foi lançada com um claro ponto de vista. Smith lembrou da visitas ao Oriente Médio e da conversa com os soldados, saindo da experiência com algo pessoal. "Foi uma experiência de abrir a mente porque eu estava assistindo muitas notícias antes de ir até lá", disse Smith, que foi afetado pelas histórias de homens e mulheres colocando suas vive na linha de frente e passando tempo longe dos entes queridos. "O fato é que quando cheguei em casa, essa música surgiu pela pura frustração porque não há resposta para trazer esses homens e mulheres para casa”, disse o vocalista. "No final do dia, é sobre a sobrevivência. De alguma forma, eu não me sinto que esses soldados devam se submeter a isso quando metade do tempo eles não sabem porque ainda estão lá. Nunca há uma resposta e é daí que a música veio."



Enquanto "Devour" foi adicionada à sua lista de hits, o que veio a seguir foi um avanço mais intimista que catapultou Shinedown a novas alturas como uma banda - o single “Second Chance”. Smith escreveu a música sobre sua decisão em sua juventude. deixar sua família e sua cabeça em outro lugar para perseguir seus sonhos de se tornar um astro do Rock e a esperança de que isso poderia derrubar as barreiras da comunicação que se acumularam ao longo dos anos. "Eu senti que foi de longe a música mais difícil que eu tinha para escrever no álbum", disse Smith. "Era sobre o assunto, sobre a música e o que eu tinha que fazer para quebrar as paredes ao meu redor para discutir como era minha infância, minha criação e de onde essa música realmente veio. Ter finalmente sido ouvido pelas pessoas foi um grande problema para mim." Como Smith e o resto da banda logo aprenderam, a música era uma das partes mais relacionáveis ​​que ele poderia ter escrito. Shinedown até abriu as linhas de comunicação com os fãs, dando-lhes as boas-vindas para escrever e compartilhar suas histórias de “segunda chance” também. "Queremos saber o dia em que eles acordaram e decidiram que queriam algo melhor para si mesmos e tiveram coragem e vontade de fazer isso", disse Smith.

Kerch disse: "Eu acho que porque essa música tocou em uma emoção que todos sentem em algum lugar, e realmente o que criou um momento tão especial com todos os fãs de Shinedown. É uma música onde Brent liricamente acaba de capturar raios em uma garrafa, são letras reais e quando você é capaz de se emocionar com esse nível do jeito que ele pode, qualquer um pode se identificar com isso."

Não só "Second Chance" alcançou o primeiro lugar na parada Mainstream Rock, mas também passou para a lista Hot 100, alcançando o 7º lugar e o topo de várias outras paradas, se tornando um single de platina triplo. Ele continua sendo o maior sucesso da banda, conectando-se com tantas pessoas ao longo dos anos.



Com duas músicas grandes para começar a divulgação do novo álbum, ficou claro que 'The Sound of Madness' tinha sucesso. A banda continuou lançando singles. A faixa-título, escrita do ponto de vista de assistir a autodestruição de um ente querido e tentar oferecer apoio, seguiu seus predecessores no topo das paradas de Rock.

A música romântica "If You Only Knew", escrita para a mãe do filho de Smith, também conquistou os corações dos ouvintes e alcançou o segundo lugar na parada de Rock das rádios. "Eu nunca tive as palavras para essa música", disse Smith em uma entrevista de 2008: "Mas as palavras me acertaram em cheio. É imenso o que sinto por ela e pelo meu filho."

"The Crow and the Butterfly" também alcançou grande sucesso no rádio de Rock. Em entrevista ao Rockline, Smith afirmou que a música foi inspirada em um sonho sobre uma mãe cuja filha tinha morrido cerca de um mês antes de seu filho nascer e a dificuldade de lidar com a perda enquanto tentava seguir em frente.



E como começou a se tornar comum em meados dos anos 2000, a gravadora da banda decidiu estender o ciclo do álbum anunciando uma reedição com faixas bônus. Isso permitiu a inclusão de "Diamond Eyes (Boom-Lay Boom-Lay Boom)" para continuar sua sequência de paradas de sucesso. A música foi uma das duas músicas da trilha sonora que foram escritas durante os quase três anos em que o álbum esteve nas paradas (sendo a outra "Her Name Is Alice" para a trilha sonora de Alice no País das Maravilhas). A banda foi abordada por ninguém menos que Sylvester Stallone, procurando uma música para seu filme "Os Mercenários". A única ressalva era que tinha que incluir o canto "boom-lay boom-lay boom", já que Stallone se inspirou no poema chamado “The Congo”, que tem o canto.

'The Sound of Madness' passou mais de 120 semanas na parada Billboard 200 Album, chegando ao número 8, mas alcançando as vendas de platina dupla. Ele gerou quatro singles no topo da lista Mainstream Rock, o primeiro álbum a alcançar essa marca desde 'The Southern Harmony and Musical Companion' do Black Crowes em 1992. Além disso, também os estabeleceu como headliner na turnê.

Embora eles tenham começado a turnê do álbum ainda fazendo alguns shows de apoio, eles dividiriam o palco com Disturbed, Staind, Chevelle, Halestorm, Theory of a Deadman, Black Stone Cherry, Red e Papa Roach, construindo seu público gradualmente enquanto estava em turnê. Kerch se lembra de tocar em Pharr, Texas no dia do lançamento para um público de cerca de 50 pessoas, sendo desencorajado pelo comparecimento ao que ele achava que era o melhor álbum deles. Mas, como ele disse, "Isso não aconteceu instantaneamente. Éramos uma nova banda, novamente. Tivemos que nos reinventar com novos membros e começar tudo de novo." Após o sucesso de "Devour" e "Second Chance", e fazendo sua primeira turnê na Europa para o álbum, o baterista disse que começou a notar as multidões sendo mais ampla. "[Esse começo] nos deu o impulso de trabalhar muito duro", disse o baterista. "Mas nada nesta banda foi fácil ou instantâneo. É um trabalho duro e trabalhoso, mas para ser honesto, eu não acho que qualquer um de nós faria de outra maneira."

Com o 'The Sound of Madness', a banda se viu sendo convidada para talk shows, finalmente, conseguindo alguns dos principais festivais europeus em horários privilegiados e tocando em locais maiores. "Esses momentos eram grandes para nós. Estávamos acostumados a tocar em clubes e isso começou a mudar. Não eram mais clubes, eram arenas. Foi uma mudança tão gradual que é preciso olhar para trás agora para ver como tudo mudou. Eu posso dizer que todo o álbum mudou nossas vidas", disse Kerch.

Quando as multidões começaram a crescer e o álbum começou a gerar grande sucessos, Shinedown ganhou uma oportunidade especial de turnê. Eles foram capazes de ajudar a lançar uma turnê de marca, com o In De Goot que organizou o 'Carnival of Madness' colocando-os no topo da conta. Ao longo dos anos, quando disponíveis, eles retornaram ao headline também, muitas vezes liderando alguns dos melhores talentos do Rock.

E terminando sua divulgação do álbum, a banda lançou a turnê 'Anything and Everything', uma turnê em que Shinedown participava de sessões de perguntas e respostas com o público e realizava performances acústicas. A última parte das datas se transformou no álbum ao vivo, 'Somewhere in the Stratosphere'.

Refletindo sobre o que tornou o álbum tão especial, Kerch nos disse: "Eu acho que é porque Brent pôde ser tão honesto em suas letras e deu tanto de si mesmo, mais do que até mesmo seus dois álbuns anteriores, foi inegável. E depois, para ter a produção, o apoio da gravadora e da gerência, ter um produtor do nível de Rob Cavallo na época, todas essas coisas eram a tempestade perfeita no momento perfeito para colocar uma peça realmente especial de música. Através de todo o drama da época, isso alimentou o fogo e disse: "Olhe, vamos desaparecer agora ou é melhor que tenhamos feito a melhor coisa". Não havia intermediários e a gravadora não nos deixaria lançar outro álbum, isso não estava acontecendo, então percebemos que se quiséssemos que isso fosse uma carreira, precisávamos parar de brincar e fazer o melhor, e e fizemos."

Então, enquanto Shinedown estava no ponto mais instável de sua carreira, na época em que a divulgação estava completa, eles se tornaram verdadeiros astros do gênero com uma impressionante série de sucessos. Eles se formaram de clubes para arenas, lideraram uma turnê de marca, tiveram oportunidades de gravação de trilhas sonoras, tocaram uma turnê acústica, montaram um álbum ao vivo baseado no sucesso do 'The Sound of Madness' e solidificaram sua formação por muitos anos. Como o aniversário de 10 anos, Kerch nos disse que a banda ainda está determinando como eles pretendem celebrar a ocasião, com a ideia de alguns shows tocando o álbum, mas eles precisarão encontrar tempo em sua programação para ensaiar e rever o material primeiro. "Ainda estamos tentando descobrir. Ao final do ano, é uma possibilidade, com certeza", disse o baterista.