Consequence of Sound: Brent Smith fala sobre a turnê de 2019, relembra a carreira de Shinedown e muito mais

No final de dezembro/2018, o site Consequence of Sound publicou uma entrevista realizada com Brent Smith sobre como foi o seu ano, turnê que começará no final de fevereiro com as bandas Papa Roach e Asking Alexandria, começo do Shinedown, álbum ATTENTION ATTENTION e muito mais.

Confira:
Shinedown tem um talento especial para criar hinos de rock que chegam ao topo das paradas. Dito isso, não é surpresa que a banda de hard rock tenha recentemente quebrado um recorde no Top 10 da parada Rock Airplay, graças ao seu mais recente single, "Get Up".

"Acho que o público entende que nossa música está vindo de um lugar muito real e eles respondem", disse Brent Smith, disse  o vocalista do Shinedown, ao Heavy Consequence.

O Shinedown esteve em turnê pelo mundo em divulgação do álbum ATTENTION ATTENTION de 2018, e os caras estarão na estrada novamente no próximo ano, enquanto continuam promovendo o álbum. Além de saírem em turnê com o Papa Roach e Asking Alexandria em 2019, a banda também fará shows íntimos, apelidados de “An Evening With Shinedown” (Uma noite com o Shinedown).

Recentemente, Brent Smith parou para conversar com o Heavy Consequence para falar sobre o significado profundamente pessoal por trás de "Get Up", discutir a turnê da banda em 2019, relembrar a carreira de Shinedown e muito mais.

Olhando para trás em 2018
É muito estranho olhar para trás no ano passado. Como estou sentado aqui em Nova York, olhando pela janela, estou pensando em quantas milhas percorremos este ano. Eu realmente nunca paro. Para mim, isso nunca termina de verdade. Eu estou sempre pegando em algum lugar que paramos. Eu sempre quero ter certeza da ideia e do que nos propusemos fazer com essa banda e para onde iremos em seguida. Estou sempre me certificando de que a arquitetura da banda esteja em boa forma.

Sobre a turnê do Shinedown com Papa Roach e Asking Alexandria agendada para o início de 2019
O interessante é que a segunda parte da turnê com o Godsmack foi realizada [no outono passado], e a banda Asking Alexandria [se juntou ao projeto]. Além disso, quando estávamos na Europa em junho e julho, estávamos fazendo todos os festivais europeus, e o Asking Alexandria estava nesses festivais também. Nós nos tornamos bons amigos, e foi interessante, porque nós nunca tínhamos feito turnês juntos antes, e nós encontramos um parentesco com eles. Quando voltamos para os EUA, estávamos vendo algumas bandas com as quais não tínhamos trabalhado antes, e entramos em contato com a gerência deles e conseguimos colocá-los nessa turnê.

Sabíamos que o Papa Roach teria novo álbum em 2019 e Asking Alexandria é um absurdo ao vivo, sabíamos que o novo álbum deles era mais melódico do que qualquer outro álbum que eles já fizeram, e parecia um bom ajuste. Acho que a turnê inteira estará esgotada até meados de janeiro, então é uma boa maneira de começar o ano.

Sobre o álbum de estreia do Shinedown, Leave A Whisper, que completou 15 anos no início deste ano e como foi gravar esse álbum
Eu lembro que levou uma vida inteira para chegar lá. Eu estava com meus 20 e poucos anos e a banda tinha finalmente se formado, o que levou três anos com toda a escrita e formação da banda. Então, quando finalmente estávamos fazendo o álbum… muitas pessoas não sabem disso, mas tivemos três produtores diferentes nesse álbum e esse álbum foi gravado em cinco locais diferentes nos EUA. Tivemos muito trabalho. Não foi um álbum de estréia normal, onde esses caras se conhecem desde que eram crianças e fazem música juntos.

Sobre o começo do Shinedown e como isso trouxe a banda para onde ela está hoje
Havia muito trabalho envolvido na criação do Shinedown, encontrar esses indivíduos e colher um relacionamento real com uma banda. A indústria olhava como se fôssemos montar uma banda, mas na realidade, o que aconteceu foi que eu assinei a Atlantic Records com outra banda, e depois de um ano, a banda foi dispensada, e me foi dada a oportunidade de uma vida inteira para ter um acordo de desenvolvimento. Steve Robertson, que era o A&R (responsável pela pesquisa de talentos e desenvolvimento artístico dos músicos) da Atlantic Records, ele me contratou e, a partir daí, foi uma jornada de quatro anos para criar o que se tornou o Shinedown. Eu pude realmente aprimorar meu trabalho, porque Steve pensou que eu era um ótimo cantor, mas também um compositor. Recebi um presente para trabalhar com algumas das pessoas mais extraordinárias do mundo nos últimos 20 anos e elas me permitiram ser eu mesmo o tempo todo.

Sobre a camaradagem entre os atuais membros do Shinedown
Agora, mais do que nunca, essa banda não poderia ser mais uma família. É interessante, porque eu não penso mais na banda nesses dois primeiros álbuns. Para mim, a banda começou no The Sound of Madness. Uma vez que esse álbum foi escrito, é onde eu acho que o Shinedown começou. Mas, eu dou muito respeito ao 'Leave a Whisper' e 'Us And Them', e as pessoas que estavam aqui no começo. Eu não tomo como garantido. Somos uma banda de rapazes que nunca ficarão satisfeitos com a ideia de um sentimento. Procuramos a maior montanha e, uma vez que chegamos ao topo daquela montanha, dedicamos um momento para nos aproximarmos e nos abraçarmos, e então dissemos: "Vamos encontrar uma montanha maior".

Sobre a abordagem do último álbum do Shinedown, ATTENTION ATTENTION
Este álbum, em particular, teve muito a ver com o Eric Bass. A razão de eu dizer isso é porque Eric é o baixista, mas ele é muito mais do que isso. Eric também é o produtor, engenheiro principal e mixer neste álbum. Passei 179 dias com ele e com a banda no ano passado em Charleston, Carolina do Sul, em seu estúdio, e começamos a construir este trabalho chamado ATTENTION ATTENTION. Foi interessante, porque nós tivemos muitos ótimos professores ao longo dos anos em relação à produção e engenharia, mas era hora de ele sentar na cadeira do capitão e realmente pegar esse álbum como um todo.

Sobre por que Shinedown queria pensar "fora da caixa" com o ATTENTION ATTENTION
Eu não queria que o álbum soasse em nenhuma circunstância, e muitas vezes, o que acontece em qualquer tipo de gênero é que certos produtores, mixers e engenheiros farão todos esses álbuns nesse gênero, e o que acontece é que todo mundo começa a soar igual. Eric e eu chamamos de “banda em uma lata”, e isso era o oposto do que faríamos com esse álbum. Essa é outra razão pela qual queríamos que Eric o produzisse.

Sobre o single atual do Shinedown, "Get Up", sendo sobre a luta contra a depressão do baixista Eric Bass 
A música que se tornou a caixa de ressonância do álbum foi "Get Up", porque a música foi escrita sobre Eric. Nós estávamos no meio de apenas tirar algumas das ideias iniciais de alguns dos cantos musicais do álbum, e estávamos ouvindo diferentes riffs e padrões de bateria, e tudo parecia igual. Tinha um sentimento como "já fizemos isso antes". Lembro de perguntar à ele: “Você acha que precisamos começar com algo mais dramático?” E ele tocou para mim a parte do piano para o que se tornou “Get Up”. Lembro que passamos algumas horas examinando a parte do piano e as melodias, e eu disse: “Faça uma demo para que eu possa levar ao hotel e voltarei amanhã com uma ideia lírica.” Bem, Eu não voltei ao estúdio por 11 dias.

Eu normalmente sou muito rápido com as letras, talvez um dia ou dois, mas a realidade é que eu sabia sobre o que eu iria escrever a música, e eu escrevi a música sobre Eric. Ele lida com o que é considerado depressão clínica. Não é algo como: "Ele tem um caso das segundas-feiras". Isso é algo que nós, como banda, o assistimos passar, e a razão pela qual eu queria trazê-lo à luz é que eu não acho que alguém deveria escrever um música para tentar torná-la famosa, eu acho que eles deveriam escrever uma música porque eles têm algo a dizer. Havia um medo de que eu tivesse cruzado a linha com nossa amizade escrevendo uma música sobre algo que era tão pessoal. Isso me impediu de voltar ao estúdio.

Finalmente, Eric disse: "Vamos seguir em frente". Então, eu disse: "Não. Eu consegui." Eu cortei um vocal para a música e perguntei quando ele poderia fazer uma mixagem. No dia seguinte, lembro que ele me convidou para ouvir a mixagem, ele tocou duas vezes e, na segunda vez, perguntei: “Você sabe do que se trata, certo?” E ele disse: “É. É sobre mim.” Aquela linha que eu estava com tanto medo de cruzar, ele removeu. Ele me disse que amou a música e o jeito que eu a apresentei não poderia ser mais sincero. Mas ele fez, como os grandes produtores dizem: “Se formos tão longe e chegarmos tão fundo, vamos ter que adoçar e ser muito ousados e honestos”. Então, “Get Up” foi a caixa de ressonância para o ATTENTION ATTENTION, porque todas as músicas vieram depois disso.

Sobre mensagem principal por trás do ATTENTION ATTENTION
O álbum é uma história. Não é um disco conceitual, mas a razão pela qual o álbum é tão ousado é porque é um álbum que permite que o público entenda que você não precisa ter medo de falhar, porque isso ensina o que fazer na próxima vez. Você não será definido por seus fracassos. Você vai ser definido pelo fato de você se recusou a desistir.

Sobre o Shinedown se estender além do universo do hard rock
Nós não gostamos de nos classificar. Estamos cruzando o formato agora com "Get Up" no formato alternativo, Hot AC e Top 40. Somos o Shinedown, e é um caso em que é sobre a música, não sobre a categoria. Eu nem vejo o Rock'n'Roll como um gênero. Rock'n'Roll é um espírito e um modo de vida. A comunidade do Rock'n'Roll que não vê cor. Não se importa com sua religião, sexo ou idade. Todos são bem vindos. Essa é a coisa linda.

Sobre o Shinedown ter quebrado o recorde da Billboard com mais top 10 na parada Rock Airplay
Nós estávamos no exterior e vimos a imprensa inicial que saiu, e é realmente incrível. Nesse tipo de situação, não sei o que dizer. Eu dedico tudo isso para a base de fãs. Se eles estiveram lá desde o começo ou são novos fãs, no final do dia, temos um chefe e são os fãs. Nós levamos isso muito a sério. É extraordinário. É algo que para nós como banda, nossa maior coisa é tentar segurar isso! (Risos) É uma competição saudável. Essa é a melhor maneira de ver isso.

Sobre como a música do Shinedown toca os ouvintes
Eu gostaria de poder dizer isso de uma maneira simples. A melhor maneira que posso descrever é o que eu disse há pouco sobre ser um compositor. Para mim, nunca me sentei e escrevi uma música porque queria ser famoso. Eu escrevo músicas porque tenho algo a dizer. Lembro que minha mãe me disse há algum tempo: "Você começou a cantar aos 10 anos de idade, mas nunca aprendeu as músicas de outras pessoas. Mesmo com 10 anos, você estava escrevendo suas próprias". Sempre pude colocar o que estou passando em palavras e em uma música, e acho que essa é uma das razões pelas quais é autêntica e genuína.